Pesquisa do ITP visa promover a regeneração medular e devolver ao paciente a capacidade motora

14/04/2021

Por Andréa Moura

No ano de 2019, o Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos de Via Terrestre (Seguro DPVAT) pagou 353.232 indenizações em todo o Brasil em virtude de acidentes de trânsito, sendo a maior parte deles, 67%, por invalidez permanente. Vinte e dois por cento dos pagamentos foram para despesas médicas e 11% em consequência de mortes. Os números foram maiores que os registrados no ano imediatamente anterior (2018), quando a quantidade da cobertura do DPVAT por invalidez permanente foi 3% menor; com despesas médicas 25% a menos, e por mortes 6% menores que o total registrado em 2019.

Esses dados foram divulgados pela Seguradora Líder, que, à época, era a responsável pelo pagamento do DPVAT, e não especificam os tipos de lesões que causaram invalidez permanente em tantas pessoas. Porém, embora o relatório não tenha apontado os tipos, uma das causas desse tipo de invalidez é a lesão medular, como aponta o Ministério da Saúde (MS) no documento “Diretrizes de Atenção à Pessoa com Lesão Medular”, publicado em 2013. De acordo com o material, este é um dos mais graves acometimentos que pode afetar o ser humano e que gera repercussão física, psíquica e social.

Embora a taxa de incidência e prevalência deste problema seja desconhecida no Brasil, pois, não existe obrigatoriedade de notificação pelo sistema de saúde, o próprio documento do Ministério, àquele ano, estimou a ocorrência de cerca de dez mil novos casos de lesão medular no País/ano, sendo o trauma a causa predominante, chegando a superar as estatísticas de outros países e, por isso, já considerado patologia de alto impacto socioeconômico com elevado custo por paciente.

O estudo feito para originar a publicação apontou, ainda, que os dados levantados junto aos centros de reabilitação mostraram que a maior parte dos casos estava relacionada a acidentes automobilísticos e a ferimentos por projéteis de arma de fogo, sendo estes a segunda causa mais comum das lesões medulares por trauma. Ainda de acordo com a publicação do Ministério da Saúde, as lesões medulares podem provocar alterações motoras, sensitivas, autonômicas e psicoafetivas, problemas que se manifestarão, principalmente, como paralisia ou paresia dos membros; alteração de tônus muscular; dos reflexos superficiais e profundos; e modificação ou perda das diferentes sensibilidades, dentre outras.

Foi pensando em reduzir a quantidade de pessoas que ficam inválidas em decorrência deste tipo de trauma que pesquisadores do Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP), dos Laboratórios de Biomateriais (LBMat) e de Morfologia e Patologia Experimental (LMPE), coordenados pelas doutoras Juliana Cordeiro Cardoso e Margarete Zanardo Gomes, respectivamente, deram início a um projeto de pesquisa visando a regeneração da lesão medular utilizando o extrato de um produto natural. O trabalho tem dentre os objetivos desenvolver e caracterizar nanocompósitos utilizando nanotubos de carbono funcionalizados com substâncias anti-inflamatórias obtidas de extrato de produto natural oriundo da região Nordeste brasileira, além de formar recursos humanos na área de nanotecnologia para aplicação em saúde. O também pesquisador do ITP, Dr. Ricardo Luiz Cavalcanti de Albuquerque Junior, integra o grupo de trabalho para a pesquisa em questão.

A relevância do projeto, iniciado em 2016, é tão grande que foi escolhido pelo Banco do Nordeste do Brasil (BNB), através do Fundo de Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do banco (Etene/Fundeci) para ser, por ele, financiado.

CONHECENDO A PROPOSTA

As doutoras Juliana Cordeiro e Margarete Zanardo, pesquisadoras do ITP

A coordenadora do projeto explicou que a lesão medular ocorre quando, em consequência de algum tipo de acidente, seja queda ou automobilístico, há o esmagamento ou rompimento da medula espinhal e quando isso acontece o paciente acaba ficando paraplégico, trauma que geralmente é irreversível porque houve interrupção da condução nervosa na medula, e no espaço rompido acaba sendo formada, pelas próprias células inflamatórias, uma cicatriz, o que dificulta a reconstrução do canal e a passagem da condução dos estímulos neurais.

A formulação farmacêutica desenvolvida na pesquisa atuará justamente no local prejudicado pelo trauma. A proposta é colocar um gel fotopolimerizável contendo nanotubo de carbono, que é excelente condutor de estímulos elétricos, para que ele seja ‘a ponte para o crescimento dos axônios que conduzem o sinal elétrico’'. O gel onde o nanotubo estará terá duas funções. A primeira é servir de suporte para o nanotubo contendo a substância anti-inflamatória, e a segunda, evitar que a cicatriz seja formada e, desta maneira, reconstruir o ambiente original, uma vez que as células o reconhecerão como se fosse a matriz excelular natural do corpo humano, já que o hidrogel que forma esta matriz é a gelatina, que nada mais é, do que colágeno hidrolisado.

“Portanto, o gel servirá, também, como substrato para a regeneração celular”, explicou a Dra. Juliana Cordeiro. O fato de o gel ser fotopolimerizável significa que o formato dele será moldado sob a presença de luz específica durante aplicação do mesmo no sistema biológico. Mas, a intervenção em prol da melhoria do paciente não fica restrita apenas a estas etapas.

Para acelerar a reabilitação do paciente o nanotubo conterá moléculas de um extrato natural e que é, comprovadamente, poderoso anti-inflamatório. A eficácia desse extrato já foi cientificamente comprovada por meio de diversas pesquisas desenvolvidas no ITP pelo grupo de pesquisa do qual a Dra. Juliana Cordeiro faz parte. Após implantado na medula, o nanotubo liberará as moléculas do produto natural no local da lesão, modulando o processo inflamatório.

PIONEIRISMO

“Este será um tratamento totalmente diferente do que existe atualmente. É uma nova proposta terapêutica onde estamos agregando ações e conhecimentos de diferentes áreas, e todas visando o avanço da ciência em várias frentes”, declarou a coordenadora da pesquisa. O trabalho é interdisciplinar e uniu profissionais de áreas de atuação e linhas de pesquisa diferentes, como a Dra. Margarete Zanardo, neurocientista especialista em lesão medular; o Dr. Ricardo Albuquerque, patologista; e o grupo da Dra. Juliana Cordeiro, que atua investigando produtos naturais de origem regional que têm modificado, para melhor, a vida de muita gente da base da produção, ou seja, os agricultores familiares.

Após dois anos de desenvolvimento do projeto a pesquisa entrou na fase de estudo pré-clínico, com testes sendo aplicados em modelo murino. Atualmente, os trabalhos já contam com um artigo de alto impacto publicado e duas patentes depositadas junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). Até chegar à aplicabilidade em humanos existem outras etapas a serem vencidas, porém, o mais importante é que os resultados estão sendo satisfatórios e o estudo é promissor, como afirma a pesquisadora.

Na visão da Dra. Juliana Cordeiro, que nos últimos dez anos teve três projetos de pesquisa científica aprovados pelo BNB, o papel das agências de fomento é fundamental para o desenvolvimento da ciência e, consequentemente, para o bem-estar social. “Ciência não é feita de um dia para uma noite, existe todo um processo a ser seguido. A sociedade e os investidores precisam perceber que tudo que usufruímos na atualidade provém do desenvolvimento da ciência e da tecnologia, porém, infelizmente, os resultados não aparecem na velocidade que desejamos. Este descompasso entre necessidade e resposta muitas vezes afasta investidores. Desta forma, destaco o papel importante das agências de fomento como o BNB”, observou a Dra. Juliana Cordeiro.

Para ela, o Banco do Nordeste do Brasil tem sido um excelente parceiro para os cientistas, pois, tem apostado em projetos que respondem a aspectos regionais, apoiando aqueles que buscam respostas para a sociedade, para a cadeia produtiva, interligando a comunidade à ciência.



Veja Mais

Instituto de Tecnologia e Pesquisa recebe visita do Ministro da Educação

Instituto de Tecnologia e Pesquisa recebe visita do Ministro da Educação

30/11/2021 - O Instituto de Tecnologia e Pesquisa-ITP, unidade de pesquisa científica, tecnologia e inovação do Grupo Tiradentes, fo...

Pesquisadora do ITP representa América Latina em Programa da Fundação Carolina, na Espanha

Pesquisadora do ITP representa América Latina em Programa da Fundação Carolina, na Espanha

22/11/2021 - A pesquisadora do Instituto de Tecnologia e Pesquisa e professora do Programa de Pós-graduação em Biotecnologia Industr...

Ministério da Saúde, em parceria com o ITP, Unit e Lacen, promove capacitação de técnicos para identificação de vetores da Doença de Chagas

Ministério da Saúde, em parceria com o ITP, Unit e Lacen, promove capacitação de técnicos para identificação de vetores da Doença de Chagas

16/11/2021 - Com o objetivo de capacitar e atualizar técnicos que atuam na identificação de triatomíneos, insetos vetores da ...

Colaboradores do ITP declaram apoio ao Outubro Rosa

Colaboradores do ITP declaram apoio ao Outubro Rosa

20/10/2021 - No dia D da campanha Outubro Rosa, colaboradores do Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP) aderiram ao movimento "Vista essa ideia". Nesta...